18.12.14

Apagado

Escrevi e apaguei
umas dez vezes
o poema

era uma voz do passado
que desconfio também
futura

assustei-me como o gato
mas não corri nenhuma
rua

escrevi e apaguei
e ainda o poema
perdura.

16.12.14

Peso

Confessas,
dava-te jeito,
ter o poema
bem pesado
e embrulhado
pronto a comerciar.

Mas esta treta
são só palavras.
Nenhuma delas
com honra
ou direito
a perdurar.

15.12.14

Perdidos e Achados

Meteram na poesia
um preço
feito de algum ciúme,
demasiado orgulho,
nenhuma razão.

Esqueceram-se de etiquetar.

12.12.14

Engano

Um verso por ano
quanto luxo
não seria.

Também ele,
O'Neill, queria.

Também eu,
assim, me engano.

11.12.14

Vazio

Não voltarei a dizer
o copo a língua
o ser-se resgatado
continuamente
deste mundo.

Seguirei apenas
vazio concreto
carregando um fardo
alegremente
mais leve.

10.12.14

Morrer

Boca fechada,
insistia,
e as ideias
pensamentos
que fazer?

Tudo é perigo
até morrer.

9.12.14

Restos

Já fiz poemas
mais sujos
do que o outono
mais ventoso -

mas em alguma boca
eles luziram
pepitas de ouro
entre restos
de comida.

8.12.14

Abandono

Quiseste ser cidade
e transformaste-te
em abandono.

Ficaram só os nomes
historiografados
em nenhum solo.

5.12.14

Refúgio

Onde a palavra
é refúgio
para o que não sei dizer -
se bem me engano,
já aqui estivemos.

4.12.14

Sem luz

Inventaram a cidade
de luzes apagadas
apenas motores de carros
a acelerar holofotes
no meio das estradas.

A rima é um sinal que pisca
um condutor distraído
salpicos de sangue
na passagem dos peões
para outro lado.

3.12.14

Do silêncio

para o Luís Maffei

O poeta fala baixo
os olhos brilham,
o que o corpo encolhe
a alma escolhe,
a ideia vibra.

Precisa apenas do silêncio
para estar mais perto
do que se escuta.

2.12.14

Era

Arrisco a dizer que ainda são
as mesmas pessoas
os mesmos sonhos
as mesmas ambições
e até
os mesmos cigarros
quem se senta nesta esplanada
suja no meio de uma Avenida.
Só eu não sou quem era.

1.12.14

Entrecampos

Procurei em todos os cafés de Entrecampos
a nossa mesa, o teu convite,
acreditando que o sol chegara para nos
cruzarmos numa das portas do passeio.
Mas conheço-me demasiado bem:
só me aproximo
de quem foge.

28.11.14

Imitação

Tantas palavras deixei de fora
do bilhete escrito à pressa -
para mau poeta, é o que basta;
para mera história, ninguém me imita.

27.11.14

Baía

Se ao verso ainda resisto
infiro destrezas ausentadas.
Por falar, dizer-te nada,
sou uma baía de absentismo.

26.11.14

Provas

O esforço é para que não caia -
o resultado apenas silêncio.
Mas nem para tudo que aparento
posso apresentar provas dadas.